segunda-feira, 13 de setembro de 2010

As memorias de um eis combatente No 8

Na nossa chegada constatamos que o nosso aquartelamento tinha sido uma missão católica, com uma estrutura ainda em muito boas condições, com uma formação em “u”, albergava na parte norte, parte da Companhia de Fuzileiros Navais a outra parte estava em Metangula, nós o Destacamento de Fuzileiros Especiais 9 na parte Sul assim como a messe e dormitório dos oficíais que ficava de frente para o Lago, depois e na parte centro era o refeitório, o bar que era gerido pelo Manuel Pereira Alves Martins (mais conhecido pelo Ezzard), um ginásio e um estúdio de fotografia, que era operado por um membro do destacamento. De momento não lembro quem era, também na parte sul mas ja fora do edifício onde havia uma pequena construção onde era a cozinha e um forno a lenha .

Depois a sul do aquartelamento uma Igreja em que já só as paredes se mantinham de pé, mais para sul ainda o aldeamento Africano.
Por detrás do edifício e para o lado do interior um pequeno campo de futebol em terra batida, aqui se realizaram bastantes jogos. Em cada canto do edifício a poucos metros uma torre que servia para vigia ou sentinela.
Em todo o tempo que permanecemos no Cobué e em grupos maiores ou mais pequenos, todas as semanas saiamos para o mato em patrulhamento ou como nós chamavamos, em operação.
Saidas do aquartelamento sempre de noite, embarcados nas LF’s e depois desembarcados em botes de borracha, o ”Zebro III”, em lugares estratégicos para começar o patrulhamento, geralmente de três ou quatro dias. Um guia Africano assim como alguns carregadores também Africanos para carregar o excesso dos Homens que levavam as metrelhadoras, geralmente duas, uma a frente e outra atrás na fila de progressão, o morteiro de 60 mm e ainda o lança roquetes, estavamos mais ou menos artilhados para o que desse e viesse.
O Comandante 1º Tenente Fuzileiro, Pedro Salgado Batista Coelho e no sentido de progreção no mato, ele sempre na frente, em segundo ou terceiro na fila indiana, um homem que conhecia a sua guarnição, os seus pupilos que conhecia cada um.
Operações e mais operações, escaramuças, emboscadas ataques, lá fomos sobrevivendo.
Depois de algum tempo no Cobué passo um mês de férias com destino a Lourenço Marques.
Até Metangula de lancha, de Metangula até Vila Cabral de Dakota e aqui um pouco complicado porque um pequeno avião carregado de mercadoria e pessoal, foi difícil ganhar velocidade e começar a subir, depois de ter saido da pista e já por cima da água não havia o momento de ele começar a subir era como uma eternidade, lá escapamos mais desta.
Vila Cabral, Lourenço Marques na Deta linhas aéreas de Moçambique, aqui um avião maior e com mais conforto com alguma comida e bebida.
Umas férias boas, no sentido da palavra, poque não seria mesmo em Lourenço Marques, mas sim no interior a cerca de 260 Kms, mesmo assim não foi mau de todo.
Uma Vila com o nome Manjacaze, no Distrito do Xai Xai.

Sem comentários:

Enviar um comentário