domingo, 24 de outubro de 2010

As memorias de um eis combatente No 12

Novos ambientes, novas paragens, agora do outro lado e para o interior.

Distrito de Téte. Quente. Província bem quente em temperatura.
De avião até Téte.
De coluna de Téte até ao Magué Novo, ficando ali por dois dias.
Na segunda noite, dois ou três de nós, mais um ou dois do Exército e num LandRover resolvemos ir beber uns copos a Mocumbura na fronteira da Rhodesia que ficava a cerca de cinquenta quilometros.
Para nossa sorte, na volta e ao entrar no aquartelamento, a gasolina acabou, teria sido bem complicado se tivesse acabado longe.
Nova deslocação, mais uns bons qilometros, por uma picada em muito mau estado, até ao Magué Velho, aqui junto ao rio Zambeze.
Novo acampamento a ser construido.
Patrulhamentos pelo rio, em Zebro III. Patrulhas de reconhecimento pela zona, nada de importante a não ser o rebentamento de canoas á granada.
Um dia um camião mercedez com saida do Magué Velho com destino a Téte.
O António Rafael Garcez de Sena Freitas Mar FZE 728/65 (mais conhecido pelo Arraza) era o condutor. Mais alguns Fuzileiros em cima na carroçaria para apanhar ar fresco.
Na picada e já bastante longe do Magué Novo, há uma embuscada.
Um elemento dos terroristas salta para a picada com um lança roquetes, á o disparo e o roquete atinge a roda detraz do camião.
Da direita e na zona de morte, (uso este termo por ser a área em que a viatura está no centro da embuscada) há uma serie de disparos, havendo a imediata resposta do pessoal do camião. O parabrisas tambem é atingido ficando todo estilhaçado.
Sem ver nada para a frente. Com os punhos o Arraza empurra-o para a frente.
Com uma roda detraz bloqueada consegue tirar o camião daquela zona.
Creio terem sido seis feridos ligeiros que tivemos nesta emboscada.
Para o Magué Velho e em Zebro III são feitos os abastecimentos.
Carregados da Chicoa e pelo rio acima com passagem pelos rápidos o que não era muito facíl pela velocidade da água.
Com a construção de Cabora Bassa toda esta área desapareçeu.
Geralmente um Fuzileiro sózinho por bote para fazer o transporte do carregamento de mantimentos que eram levados para o nosso acampamento, não mais de dois botes de cada vez.
Tambem fiz algumas destas viagens sózinho.
Algumas noites de patrulha pelo rio e junto a margem, com um holofoto para ver o que se passava na margem, algumas vezes era imprecionante ver tantos reflexos de olhos de jacarez, parecia uma pequena cidade.
Rio Zambeze tambem muito povoado por hipopotamos.
Por outras vezes e no mato, tentando caçar para comer algo diferente.
Lá se passaram alguns meses.
Do Magué Velho, para mais perto de Téte, para o Tchirose.
Bem lá em cima no alto do morro a uns bons cinquenta metros se não mais acima do nivel do rio.
A divisão do pessoal entre o Tchirose e Téte. Estivemos mais ou menos por um mês, ou pouco mais.
E aqui meus amigos, com mais alguns dias em Téte e depois de vinte e sete mêses no norte de Moçambique, terminou a sua comissão o Destecamento de Fuzileiros Especiais No 9 entre 1969 e 1971.
Não me lembro mas creio termos voado até á Beira para o embarque no navio da Marinha Mercante, o Princepe Perfeito.
Para mim só por um dia e uma noite e por preferência para ficar em Moçambique.
Finalmente e para mim o desembarque em Lourenço Marques.
Com a despedida de todos os camaradas e amigos que tinhamos combatido juntos pelo norte.
Ficando agregado ao Comando Naval por mais três meses por falta do papel de passagem á disponibelidade, que devia ter sido deixado pelo destacamento.
Aqui passo á reserva da Marinha no dia 2/11/1971.

1 comentário:

  1. Recordações do Mágoé-Velho: oh Luís vocês deixaram um posto de rádio (Tamara lembras-te?...) que era uma maravilha.Até dava para receber a visita da Antónia...quando queria falar para o marido que estava na Mucanha...era furriel pára, castigado.Faziamos negócio...era o que havia...
    Bento ex Mar CFZE

    ResponderEliminar